18.6.09

Intervenção no IX Congresso Regional da JS/Açores - Ilha Terceira - 12,13 e 14 de Junho

CARO CAMARADA PRESIDENTE DA JS
CARO CAMARADA PRESIDENTE DO CONGRESSO
CARAS (OS) CAMARADAS
Permitam-me que inicie esta minha intervenção saudando os nossos camaradas que, pela primeira vez, estão aqui presentes: a todos vós um 'bem-vindo' e que persistam no bem-fazer, ao serviço dos que mais precisam.
Do mesmo modo, àqueles que por limite de idade, não estarão presentes no próximo Congresso da JS desejo agradecer o trabalho que realizaram e desejo também que continuem este trabalho ao serviço da população. Para eles, um 'até já'.
Os resultados das eleições do passado domingo em nada nos agradaram. Tenhamos consciência que os resultados não nos foram globalmente bons, nem no país nem na região, apesar de, nos Açores, termos ganho no Corvo, em Santa Cruz das Flores, no Concelho da Lagoa e no Concelho da Povoação. Para estes Camaradas os meus parabéns.
Mas foi pouco e há que trabalhar muito.
Todavia, estas eleições mostraram que o PSD se contenta com pouco. Contenta-se com cerca de 20% dos votos e, pior ainda, canta vitória devendo saber que apenas 10%, desses 20% de votos, acreditaram na sua candidatura. Apenas 10% dos açorianos acreditaram na sua desconhecida candidata e na sua conhecida Presidente Berta Cabral.
Nunca uma mudança se construiu apenas com 10% da população. Nunca Berta Cabral há-de ganhar apenas com 10% dos açorianos!
Camaradas,
as eleições para a Europa são eleições para deputados que estão muito longe e os açorianos participam mais em eleições com candidatos que lhes são próximos.
A Europa que está longe não é o mesmo que as eleições para a Assembleia da República que está mais próxima, nem muito menos para a Assembleia Legislativa Regional ou para as Autarquias locais. Estes Governos sim estão mais próximos e são os escolhidos pelo PS. Quanto mais próxima estiver a eleição de representantes do povo açoriano, mais o povo vota no PS.
Camaradas,
nós que vivemos aqui, a Juventude Socialista, somos os melhores e por isso o povo acredita e dá-nos o seu voto.
Mas infelizmente os jovens estão a participar menos. Estamos a deixar que os mais velhos definam o presente e o futuro que afinal é nosso. E é isto que mais me preocupa, ou seja, a falta de participação política e cívica da juventude de hoje.
Por isso, entendo que é importante promover a consciência cívica, como atitude pró-activa dos jovens, enquanto agentes promotores de desenvolvimento que somos.
Estamos aqui hoje a reflectir e durante todo este fim-de-semana porque somos jovens, porque nos preocupamos com a sociedade e porque gostamos de fazer política, no real sentido da palavra (polis).
Gostamos de fazer política, porque gostamos de servir o povo, porque gostamos de fazer desenvolvimento. É exactamente isso que precisamos de transmitir aos nossos amigos: esta juventude, esta preocupação, este gosto, esta generosidade, em contraposição à desacreditação que a sociedade já tem da classe política.
Classe política! Os políticos não são uma classe, são apenas agentes que deviam representar e servir o povo. E se assim fossem, mais e melhor política se faria em favor da democracia e dos povos.
Camaradas,
a participação cívica dos jovens faz-se incutindo em cada um dos nossos amigos a capacidade de escolha do nosso futuro.
Como camaradas?
- Ouvindo e conversando;
- Estando a par do que lhes diz respeito, ou seja, conhecendo a realidade social;
- Incentivando a sua capacidade de iniciativa, nas escolas, nas universidades, nas empresas e organizações;
- Estando onde eles estão;
- Mostrando que é com eles que construímos e vivemos o futuro.
Camaradas,
muito já foi feito. Tenho mesmo muito orgulho de viver nesta geração em que o povo açoriano acreditou já em três governos liderados pelo nosso Presidente Carlos César. Carlos César foi sem dúvida o Presidente mais lúcido que os açorianos conheceram. Muito tem sido feito pelos nossos governos em favor dos Açores e estou certo que o meu futuro e o futuro dos jovens meus amigos será bem melhor.
Mas o trabalho tem de ser continuado. Todos os dias. Nas escolas, nas nossas Freguesias, na nossa Região, no nosso País.
Na Europa muitíssimo há ainda a fazer, em favor da juventude e da motivação democrática da participação eleitoral dos jovens. Os jovens europeus não querem apenas ser chamados a votar. Eles querem, antes de mais, participar com a sua acção e com as suas ideias. É preciso por isso que nos sejam criados espaços de liberdade para a participação.
E nós, Juventude Socialista nos Açores, situada no meio do atlântico norte e sendo fronteira Ocidental da Europa, podemos ter uma voz crescentemente activa no seio das organizações regionais de juventude que existem por essa Europa fora.
A Juventude Socialista nos Açores não pode perder mais os seus espaços de liberdade de participação nas organizações juvenis internacionais, trazendo a Europa para os Açores e colocando os Açores na Europa.
Trazer a Europa para os Açores e colocar os Açores na Europa é favorecer a participação eleitoral dos jovens e é a breve prazo, fazer crescer a participação cívica dos jovens nossos amigos.
Camaradas,
Muito já foi feito com o nosso camarada Presidente Berto Messias, mas há que fazer mais.
Mais duas batalhas eleitorais virão este ano. Só as venceremos se nos mantivermos unidos, coesos, atentos à realidade que nos rodeia.
Juntos somos mais, todos juntos somos melhores.
Viva à JS.
Viva aos Açores.

2 comentários:

Ivo Fernandes disse...

“Colhega”:

Desconhecia essa tua veia… discursiva.. parabéns!
À medida que ia lendo, sempre imagina tu a dizeres isto com o teu sotaque de que tanto te orgulhas! (e acho bem).

Grande abraço!

Scotty Couto disse...

Ah granda João!

Epah esmeraste mesmo com esse discurso! Parabéns amigo!

Sabes que temos que dar à nossa terra aquilo que ela merece, e que nós, os homens de amanha, nunca podemos abandonar a terra que nos viu ser o que somos!

De uma vez por todas, a Povoação aos POVOACENSES!

Abraço meu Grande Amigo (baixote por sinal, mas Grande!!)xD